Bebês americanos aprendem um segundo idioma

Um crescente número de estudos do cérebro indicam que crianças podem aprender um idioma mais facilmente se expostas à nova língua antes mesmo de aprenderem a falar. É nessa fase que os cérebro está se conectando internamente. “Crianças são cidadãs do mundo, prontas para aprender qualquer idioma novo”, disse a neuro-cientista Patricia Kuhl,
co-autora do livro “Cientistas no berço”.

Entre seis e dez meses, bebês podem ouvir e responder a variações fonéticas em qualquer língua, acrescenta Kuhl. Numa fase posterior da vida, eles serão capazes de falar os idiomas escutados e aprender espontaneamente, assim como um falante nativo. A exposição a um segundo idioma durante o primeiro ano de vida faz com que as conexões internas do cérebro se interliguem com mais rapidez, ditam os pesquisadores. “Não podemos dizer a que idade devemos ensinar um bebê, mas várias pesquisas indicam que quanto mais cedo ele tiver acesso a um segundo idioma, melhor”, diz Nancy Rhodes, da National Network for Early Language Learning, em Washington D.C.

Para quem quiser criar um poliglota, os professores da Language Workshop for Children dão algumas dicas: a melhor maneira de colocar o bebê em contato com um segundo idioma é colocando música estrangeira. Introduza um CD-ROM ou leia um livro no segundo idioma um pouco mais tarde e nunca coloque um professor particular antes dos oito ou dez
anos. As crianças precisam interagir com outras crianças. Se os pais ou pessoas que tomam conta das crianças falarem outro idioma como nativos, ótimo. Porém, sempre alternem o segundo com o primeiro idioma delas. E prestem atenção se o sotaque de quem está falando é o autêntico. Falar francês com sotaque de chinês não é nem um pouco glamouroso.

Tania Menai, Nova York

Bebês americanos aprendem um segundo idioma
Classificado como: