Sem me atear agora à questão Neuroética de no que isso pode vir a se transformar, o fato é que, assim como este exoesqueleto melhora quem já tem ótimo desempenho nas funções motoras, nosso trabalho com neuroaprendizagem faz o mesmo com funções cognitivas. E é isso que venho tentando explicar no Grupo de Neuroaprendizagem (Link abaixo para participar do grupo). Nosso trabalho não é de Reabilitação; é de incrementação! Tornar o que já é funcional, excelente!

Inês Cozzo

Link para participar do Grupo NEUROAPRENDIZAGEM DE INES COZZO

https://www.facebook.com/groups/neuroaprendizagem/

Cientistas criam exoesqueleto vestível como uma calça

Soft Robotic Exosuit

Estudantes já criaram um propulsor a jato que aumenta a velocidade e a agilidade de soldados durante uma corrida. Agora, pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, apresentaram um exoesqueleto que pode dar velocidade aos soldados e até ajudar vítimas de derrame a voltarem a andar.

O Instituto Wyss, de Harvard, recebeu um investimento de 2,9 milhões de dólaresda agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (Darpa, na sigla em inglês) para desenvolver o exoesqueleto Soft Exosuit. A agência quer impulsionar o desempenho dos soldados americanos.

O Soft Exosuit supera os inconvenientes dos exoesqueletos mais ​​tradicionais. É mais leve e não tem componentes rígidos que podem interferir na articulação natural das pessoas. O aparelho é leve e lembra uma calça legging. Com a diferença de que tem cabos ligados a uma bateria na cintura.

A veste tem sensores, um microprocessador e cabos conectando as articulações. O microprocessador funciona como o “cérebro” e a rede de sensores como o “sistema nervoso” de uma pessoa, sempre monitorando as ações do usuário.

Os sensores detectam qual articulação está em movimento. Então, os cabos fornecem uma força extra. O processo imita a ação dos músculos das pernas e tendões quando uma pessoa caminha sem restringir o movimento do usuário.

Além de ajudar os soldados a economizar energia durante as missões, o exoesqueleto também pode ajudar pessoas com dificuldade de locomoção. A tecnologia pode, no futuro, reduzir os custos de cuidados de saúde em longo prazo e melhorar a qualidade de vida das pessoas dentro e fora do campo de batalha.

A equipe pretende ajudar parceiros clínicos a desenvolver uma versão do sistema voltada para os médicos. Isso pode beneficiar vítimas de derrame, por exemplo, que podem andar mais devagar depois do acidente.

Veja abaixo um vídeo divulgado por Harvard sobre o Soft Exosuit:

Cientistas criam exoesqueleto vestível como uma calça
Classificado como: