Importância da ISBRA para o desenvolvimento das Neurociências no Brasil

A escola foi organizada de modo a propiciar a alunos brasileiros e de outros países da América Latina um treinamento teórico e prático nas fronteiras do conhecimento em três áreas fundamentais das Neurociências: Neuroquímica, Desenvolvimento e Plasticidade, e Bases fisiológicas da Cognição. O professor Roberto Paes de Carvalho da Universidade Federal Fluminense (UFF) foi o coordenador geral e os professores Fernando Garcia de Mello, Cecília Hedin-Pereira e Eliane Volchan da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) coordenaram as áreas supracitadas, respectivamente. Como os simpósios da Escola foram abertos ao público, também se pôde dar à comunidade científica a oportunidade de participar de simpósios internacionais com convidados renomados em um momento em que as chamadas Ciências do Cérebro estão em foco com descobertas revolucionárias nas áreas de memória e comportamento humanos e na origem combinada, genética e ambiental, das doenças psiquiátricas e neurológicas em geral.

Seguindo o exemplo da Primeira ISBRA realizada em Ribeirão Preto (SP) em 2002, o evento foi um grande sucesso, tendo atraído muitos estudantes para a escola propriamente dita e alunos de graduação e pós-graduação, além de pesquisadores, para os simpósios. Houve mais de 120 inscritos para assistir aos simpósios da II ISBRA.

A IBRO, organização internacional à qual se filiam as diferentes sociedades de Neurociências de vários países, inclusive a Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNeC), tem apoiado há alguns anos a organização de escolas de Neurociências em diferentes países da Ásia, África e América Latina, com o objetivo geral de fomentar a pesquisa e o interesse nas Ciências do Cérebro. Ficou então a cargo da SBNeC a organização da escola no Brasil a cada dois anos.

A primeira foi realizada em 2002 no campus da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto com grande sucesso, como frisado anteriormente. A decisão de realizar a II ISBRA no Estado do Rio de Janeiro foi em função de propiciar aos alunos o contacto com áreas diferentes dentro das Neurociências que têm grande desenvolvimento na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e na Universidade Federal Fluminense (UFF). A II ISBRA apresentou um formato diferente com a divisão de alunos em três áreas de concentração. A escola teve início com a sessão de abertura e conferências de Rafael Linden da UFRJ e Edward Ziff da New York University. No primeiro dia houve os simpósios apoiados pela International Society for Neurochemistry, que subsidiou a vinda de pesquisadores da área de Neuroquímica e ofereceu bolsas para alguns dos alunos selecionados. Estes simpósios versaram sobre Vias e Mecanismos de Transdução de Sinais (coordenado por Ana Lúcia M. Ventura da UFF) e Fatores Neurotróficos (coordenado por Elizabeth G. de Araujo da UFF), com a participação dos eminentes pesquisadores americanos Jeffrey Benovic (Thomas Jefferson University) e Ronald Oppenheim (Wake Forest University), além do pesquisador argentino Luis Politi (Institute of Biochemical Investigations of Bahia Blanca, Argentina) e dos brasileiros Marília Guimarães (University of California at San Francisco, USA), Marco Prado (Universidade Federal de Minas Gerais), Ricardo Reis (UFRJ) e Flávia Alcântara Gomes (UFRJ). No segundo dia foram realizados os simpósios de Neurobiologia do Desenvolvimento versando sobre Proliferação, Migração e Plasticidade (coordenado por Leny Cavalcante da UFRJ) e Fatores Influenciadores do Crescimento Axonal e Dendrítico (coordenado por Roberto Lent da UFRJ) com a participação dos pesquisadores americanos Stephen Noctor (University of Califórnia at San Francisco, USA) e Reha Erzurumlu (Louisiana State University, USA) além da pesquisadora francesa Patrícia Gaspar (Hospital Salpetrière, França) e dos brasileiros Rosalia Mendez-Otero (UFRJ), Daniela Uziel (UFRJ) e Cláudio Serfaty (UFF).

Seguiram-se duas semanas de atividades práticas nos laboratórios da UFRJ e da UFF, sendo especialmente envolvidos os Institutos de Biofísica Carlos Chagas Filho e de Ciências Biomédicas da UFRJ e os Institutos de Biologia e Biomédico da UFF. Dez alunos foram selecionados por área e desenvolveram atividades práticas relacionadas a cada área. Estes alunos foram selecionados em função de seus currículos e interesses específicos e, além de alunos brasileiros, foram selecionados alunos provenientes do México, República Dominicana, Argentina e Colômbia. Entre os alunos brasileiros foi dada preferência a alunos provenientes de outros estados que não o do Rio de Janeiro, tendo sido selecionados alunos do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, São Paulo e Pará. As semanas de atividades práticas contaram também com a participação dos convidados internacionais, que tiveram contato direto com os alunos e puderam também ministrar outras palestras além das normalmente proferidas nos simpósios da ISBRA. Como exemplo podem ser citadas as conferências realizadas por Edward Ziff, Jeffrey Benovic e Luis Politi na UFF, além de palestras extras proferidas por Roberto Malinow, Reha Erzurumlu, Stephen Noctor e Patrícia Gaspar na UFRJ. Na parte final da II ISBRA foram realizados os simpósios integrativos sobre Plasticidade Neuronal (coordenado por Cecília Hedin- Pereira da UFRJ), Processos Integrativos no Sistema Visual (coordenado por Dora Ventura da USP), Atenção (coordenado por Luiz Gawryszewski da UFF) e Circuitos Neurais da Emoção (coordenado por Letícia de Oliveira da UFF) com a participação do pesquisador americano Roberto Malinow (Cold Spring Harbor, USA), dos chilenos Bernardo Morales (Universidad de Santiago) e Pedro Maldonado (Universidad de Chile), do argentino Jorge Armony (McGill University, Canada) e do italiano Carlo Umiltà (Universitàt di Padova), além dos brasileiros Mario Fiorani (UFRJ), Ricardo Gatass (UFRJ), Luiz Carlos Silveira (Universidade Federal do Pará), Sergio Neuenschwander (Max-Planck Institute, Alemanha), Gilberto Xavier (USP), Marcus Vinicius Baldo (USP), Marcus Brandão (USP) e Newton Canteras (USP). A palestra final de Miguel Nicolelis (Duke University, USA) fechou o evento com “chave de ouro”.

Em conclusão, acreditamos que eventos deste tipo contribuem de maneira altamente significativa para o desenvolvimento científico brasileiro, não só por dar oportunidade aos alunos de entrar em contacto direto com especialistas de renome internacional e com as técnicas mais modernas das respectivas áreas, como também beneficiam toda a comunidade científica local através de um ambiente de discussão científica que acompanha a “frente de onda” da produção de conhecimentos em Neurociências no mundo. Cabe sem dúvida nenhuma dar os parabéns à IBRO e agradecer o apoio da Capes, CNPq, Faperj, Finep, da Academia Brasileira de Ciências e da International Society for Neurochemistry por essa iniciativa que certamente trará frutos ao desenvolvimento das Neurociências nos países em desenvolvimento.

Participantes da II ISBRA
Alunos: Adriana Sereniki (Brasil); Agatha Asano Trindade (Brasil); Alberto Camacho Morales (Mexico); Anderson Raiol Rodrigues (Brasil); Andrea Baldocchi Pizzo (Brasil); Ângela Reksidler Braga (Brasil); Carolina Beltrame Del Debbio (Brasil); Cecília Midori Ikegami (Brasil); Eduardo Ekman Schenberg (Brasil); Fabrício Alano Pamplona (Brasil); Fernando Rubén Manzini (Argentina); Filipe Meneguelli Bonone (Brasil); Flavia Garcia (Brasil); Juliana de Castilhos (Brasil); Julio César Morales Medina (México); Leonardo Coutinho Faria (Brasil); Luciana Nogaroli Cavalcante de Bittencourt Navarrete (Brasil); Luciano Stürmer de Fraga (Brasil); Luiz Henrique Mourão do Canto Pereira (Brasil); Maira de Castro Lima (Brasil); Maria Rosana Ramirez (Argentina); Orfa Yineth Galvis-Alonso (Colombia); Rodrigo Pavão (Brasil); Rui Daniel Schröder Prediger (Brasil); Sabrina Guimarães Silva (Brasil); Santiago Nahuel Villegas (Argentina); Simone Ribeiro Bittencourt Neves (Brasil); Violeta Medan (Argentina);Yamaha Sosa Machado (República Dominicana)

Corpo Docente Internacional: Bernardo Morales (University of Santiago, Chile); Carlo Umiltà (University of Padova, Italy); Edward Ziff (New York University, USA); Jeffrey Benovic (Thomas Jefferson University, USA); Jorge Armony (McGill University, Canadá); Luis Politi (Institute of Biochemical Investigations, Argentina); Marília Guimarães (University of California San Francisco, USA); Miguel Nicolelis (Duke University, USA); Patricia Gaspar (Salpetriere Hospital, France); Pedro Maldonado (University of Chile, Chile); Reha Erzurumlu (Louisinia State University, USA); Roberto Malinow (Cold Spring Harbor Laboartory, USA); Ronald Oppenheim (Wake Forest University, USA); Sergio Neuenschwander (Max Planck Institute, Alemanha); Stephen Noctor (Columbia University, USA)

Universidade Federal Fluminense: Ana Lúcia Marques Ventura; Cláudio Alberto Serfaty; Elizabeth Giestal de Araújo; Karin da Costa Calaza; Letícia de Oliveira Luiz Gawryszewski; Mirtes Garcia Pereira; Paula Campello-Costa Lopes; Roberto Paes de Carvalho; Ronald Marques dos Santos; Walter Machado-Pinheiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro: Cecília Hedin-Pereira; Daniela Uriel; Eliane Volchan; Fernando Garcia de Mello; Flávia Alcântara Gomes; Jean C Houzel; João Guedes da Franca; Leny Cavalcante; Maira Froes; Marcelo Santiago; Maria Christina Fialho de Mello; Mario Fiorani Jr; Patrícia Franca Gardino; Renata Anomal; Ricardo de Melo Reis; Ricardo Gatass; Roberto Lent; Rafael Linden; Rosalia Mendez-Otero; Silvana Alodi

Universidade de São Paulo: Dora Fix Ventura; Marcos Lira Brandão; Marcus Vinicius Baldo; Newton Sabino Canteras Luiz Carlos de Lima Silveira (Universidade Federal do Para); Marco Antonio Prado (Universidade Federal de Minas Gerais); Griselda Garrido (Hospital Barra D’Or); Ivanei E. Bramati (Hospital Barra D’Or)

Importância da ISBRA para o desenvolvimento das Neurociências no Brasil
Classificado como: