1. Quantas pessoas previsivelmente estarão participando ativamente?

(Essa informação nos permite analisar a relação tempo x melhor material ou atividade em benefício do resultado)

 

2. É possivel reunir todas estas num periodo único? Quantas turmas estão previstas?

(Esta informação tem como propósito parametrizar a parte comercial da proposta)

 

3. Onde será? Vai ser na própria empresa? Ou existe a possibilidade de fazer em algum outro lugar?

(Essa informação também é pertinente ao aspecto comercial, mas apenas nos casos em que conduziremos o trabalho. Também importa quando realizada na empresa e interrupções ou desvios de atenção puderem ocorrer, além de ser relevante para a escolha de atividades – principalmente cenas de filmes – que requerem um volume mais alto e podem interferir no desempenho de áreas contíguas ao espaço no qual o trabalho está sendo desenvolvido.)

 

4. Nós realmente informaremos qual a carga horária ideal, mas é útil saber: De quanto tempo dispomos para realizar nosso trabalho?

(Informar a carga horária ideal dá uma noção ao cliente do necessário para o alcance máximo do que seja prometido em reunião e/ou redigido na proposta. Mas, tudo pode ser adaptado, bastando para isso apenas que saibamos qual a carga horária máxima de que vocês podem dispor)

 

5. Das pessoas que vão participar, alguém  já esteve presente em algum trabalho anterior conduzido por nós ou na metodologia da Neuroaprendizagem com Neuropsicologia como fonte principal da informação?

(Isso é de suma importância, uma vez que sempre que possível, utilizamos o elemento surpresa e o ineditismo à favor dos resultados que pretendemos)

 

6. Como estará configurado o espaço físico no qual o trabalho será desenvolvido? São cadeiras fixas ou podemos mover da forma que melhor nos atenda?

 

As questões 7, 8 e 9 nos ajudam a definir o discurso e os recursos didáticos mais apropriados à cada audiência, de forma a alcançar resultados mais rápida e organicamente) 

7. Qual a faixa etária média do grupo a ser trabalhado?

 

8. . Qual a proporção de homens e mulheres no grupo?

 

9. Qual a média de tempo de casa? E a formação acadêmica dos participantes?

 

As questões 10, 11 e 12 são, de longe, as mais importantes de todo o questionário pois tratam exatamente do propósito da contratação ou intervenção, em caso de programas de multiplicadores e coaching de projeto!

10. O que vocês esperam obter de nosso trabalho? Isto é, ao término do trabalho:

A – O que vocês desejam que o grupo saia sabendo? Que informações PRECISAM ser passadas?

B – O que vocês desejam que o grupo saia sentindo? Que estados PRECISAM ser gerados para serem utilizados a favor dos resultados?

B – O que vocês desejam que o grupo saia fazendo? Que comportamentos você deseja ver, que hoje não existem/acontecem?)

 

11. Há alguma restrição quanto à utilização de metodologia vivencial aplicada através de jogos e dinâmicas de grupo?

(Essa informação é crucial para o sucesso do evento. Grupos que nunca participaram de trabalhos com essas metodologias ou que já participaram mas tiveram uma experiência percebida como negativa, tenderão a apresentar alguma resistência com a metodologia. Nestes casos, sempre iniciamos o processo com atividades mais racionais e estruturadas de forma a conquistar a confiança e a credibilidade para o trabalho. Não é nosso desejo ou determinação que definem as atividades que utilizaremos, são os níveis de maturidade profissional, psicológica e emocional do grupo. Estes níveis são avaliados pelas horas/treinamento que eles já tiveram e as avaliações e repercussões que os treinamento anteriores tiveram sobre eles, isto é, o impacto que causaram.)

 

12. Há algum assunto / tema específico que vocês fazem questão que seja abordado?

(Essa questão só é pertinente quando o foco é motivação ou integração, por exemplo. Isto porque, ambas são exemplos de ESTADOS PSICOLÓGICOS e não competências e habilidades. Podemos aproveitar para desenvolver um conjunto grande de competências ENQUANTO eliciamos os estados desejados, potencializando, em muito, o valor do investimento. Para isso, só precisamos saber que momento histórico o grupo de participantes está vivendo na empresa.

 

13. Há algum exercício ou raciocínio em particular que vocês nos viram / ouviram fazendo e de que fazem questão, isto é, que julgam que seria interessante utilizar com o grupo?

 

14. Há alguma questão / colocação que vocês acham importante nos fazer e que não abordamos neste questionário?

 

15. O grupo irá voluntariamente ao evento ou será convocado?

(Nos é útil saber disso porque, em casos de convocação, precisamos reverter possíveis revoltas não manifestas mas, seguramente presentes, em alguns participantes, antes de iniciar o assunto principal, núcleo do trabalho a ser desenvolvido.)

 

16. Vocês dispõem de um valor fixo para o evento, desejando negociar  a carga horária, o programa e o número de consultores a serem  contratados ou preferem negociar um pacote personalizado?

(Podemos oferecer uma pré-proposta com carga horária e programas ideais no valor de mercado e da nossa tabela. Mas também podemos já formatar uma proposta dentro das possibilidades do momento da empresa. Só precisamos saber quais são essas possibilidades e limites / parâmetros)

 

17. Há algum título a ser adotado que seja estrategicamente  interessante para este momento ou podemos colocar o que considerarmos  mais apropriado em relação ao programa e aos objetivos?

(Quando a empresa está desenvolvendo algum tipo de campanha interna, associar o trabalho à essa campanha fortalece a ambos: campanha e programa, sendo mais uma forma de potencializar investimento e utilizar um processo para alavancar ou apoiar outro(s).)

 

18. Há algum tipo de restrição que devamos conhecer antes de desenhar o programa, a metodologia e a carga horária?

(Algumas vezes, a cultura da empresa apresenta algumas restrições neste sentido. Nós as respeitamos e adaptamos os procedimento à elas.)

 

19. O contrato inicia e se encerra neste evento ou há possibilidade de continuidade com o grupo?

(Esta informação faz grande diferença no aspecto comercial da proposta, mas, também no aspecto técnico, na medida em que o design, a arquitetura do evento momento a momento, precisa seguir uma linha de emotização, sensibilização e conscientização gradativa. Quando a empresa-cliente não tem condições, por quaisquer razões que sejam, de dar continuidade, utilizamos nossas ferramentas e táticas mais fortes na única ocasião que se nos apresenta. Caso haja possibilidade de continuidade, precisamos trabalhar também com o crescimento gradativo de desafios e atividades emotizantes, sensibilizantes e conscientizantes. Ninguém serve primeiro a sobremesa, certo?)

 

20. Por favor, relacionem as palavras-chave deste evento, em ordem de importância e relevância para vocês, das imprescindíveis às desejáveis, em termos de competências, habilidades, estados e atitudes.

 

Estas são as questões mais importante a serem esclarecidas sempre que uma proposta de trabalho vai ser feita.

 

Se houver ainda qualquer coisa que vocês julguem importante acrescentar, por favor fiquem a vontade.

 

Gratos,

Equipe TAI Desenvolvimento Humano

 

 

Carlos Albérto Rodrígues

Sócio-Diretor

carlos@taiconsultoria.com.br

www.taiconsultoria.com.br

11 2946-5757 COMERCIAL

11 995 13-3321 CLARO (Carlos)

11 999 48-4620 VIVO

11 999 42-4146 CLARO (Inês)

11 9595 3 1111 TIM

Pesquisa pré-proposta